john cardamone - getty images

Por Marcelo Lima Costa

A Criação – O que já Fomos

Há muitos e muitos anos, vagava pelo vazio, em meio a trevas, uma massa disforme em busca da existência. Em busca de ser… De pertencer.

De repente, ninguém sabe quando e nem por que, um sopro divino… “Estrondo brilhante” fez surgir do nada tudo o que se pode ver.

E vemos, na luz, mares e rios abundantes… A terra, montanhas, flores, florestas, frutos e bosques verdejantes.

Nasceu, então, o sol… E a lua. Também vieram as estrelas para, em contraste com um azul profundo, poder iluminar e enfeitar o mundo.

Apareceram os peixes povoando rios e mares, dando vida às águas e a outros lugares. E também as aves, criaturas lindas, de brincar nos ares.

Animais também chegaram de todas as espécies: grandes, pequenos, mansos e ferozes… Para viver conosco obedecendo às nossas vozes.

E aí veio o homem… E a mulher para dominar, e da terra receber tudo o que ela pode lhe dar.

Procriação – Foi sem querer

Vieram depois milhares, milhões, sete bilhões. E a terra reclamou. Já não aguenta o peso que lhe comporta e faz de tudo para não ser morta.

O homem não mais recebe o que a terra gentilmente lhe proporciona e muito acima do que ela pode, sem nenhum pudor, ele toma.

Já somos mais de sete bilhões de pessoas vivendo num mundo que não nos suporta.

Crescemos a uma taxa de setenta e seis milhões ao ano. Uma loucura… Se é que importa.

Poluímos os mares, esgotamos os rios e transformamos a terra em pó. E nossas montanhas, flores, florestas, frutos e bosques verdejantes choram a morte que se avizinha a cada instante.

O sol, a lua e as estrelas parecem que vão ficar. Afinal, não é possível deles nos aproximar. Os animais e tudo mais nós dizimamos com nossas fábricas, nossos engenhos, nossos possantes.

As matas e florestas nós as queimamos e o que sobra são só molambos.

Aves e peixes não vão sobrar. Nós os matamos para comer ou por prazer. Sem consciência, foi sem pensar… Foi sem querer.

Prá Conviver – Queremos ser

Assim, buscamos formas novas para viver. Maneiras novas de conviver. Com mais respeito e inteligência mudar o curso da nossa história, voltar ao rumo… Mas que vitória!

Só com vontade e muito empenho vamos virar mais um milênio. Talvez, quem sabe, com emoção possamos ver, mais uma vez, a criação.

Inteligência a nós foi dada. A tecnologia está criada. Só falta ao homem de peito aberto tomar a frente e fazer o certo.

Isso é possível, e é urgente salvar o mundo, ser consequente. Abraçar aquilo que nos foi dado com muito amor… Só por cuidado.

Saber fazer bem mais com menos. Cuidar melhor dos nossos quintais. Viver inteiros… Ambientais.

Brasília, outubro de 2011

Anúncios